Crea-MT homenageia conselheiras e profissionais no “Dia Internacional das Mulheres na Engenharia”

23 de junho de 2022, às 11h19 - Tempo de leitura aproximado: 5 minutos

Nesta quinta-feira (23/06) é comemorado o Dia Internacional das Mulheres na Engenharia, data criada pela Women’s Engineering Society (WES) do Reino Unido, com o objetivo de fortalecer o espaço conquistado por engenheiras na área profissional. No Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Mato Grosso (Crea-MT) ações que contribuem para estimular a equidade dentro do Sistema Confea/Crea são desenvolvidas por meio do Crea Mulher, implantado em 2021. A ideia do programa é contribuir para uma sociedade mais justa e igualitária, através do combate à desigualdade de gênero, evidenciada a partir do tratamento dado no mercado de trabalho às mulheres não só da Engenharia, mas também da Agronomia e Geociências.

“Nesta data tão especial homenageio aquelas que têm o talento de criar, capacidade para construir, sensibilidade para compreender e a dedicação para multiplicar. Assim são as mulheres na Engenharia, que tem se destacado no desenvolvimento da Engenharia, Agronomia e Geociências. Com competência e garra, elas assumem liderança em setores estratégicos da sociedade e na gestão do Sistema Confea/Crea/Mútua. Elas constroem o presente e o futuro do Mato Grosso e do país”, detalhou o presidente do Crea-MT, eng. civil Juares Samaniego, ao parabenizar as profissionais das modalidades do Sistema de Mato Grosso.

Buscando valorizar e exaltar o trabalho desempenhado por essas mulheres, o Crea Mato Grosso destaca algumas profissionais do Sistema que desenvolvem trabalhos dentro do plenário do Conselho e fazem a diferença em prol das Engenharias.  A começar pela coordenadora da Comissão do Crea Mulher MT e adjunta da Câmara Especializada de Geo, Minas e Industrial (CGMI), conselheira, engenheira mecânica e de Segurança do Trabalho, Priscila Bernardi Rockenbach.  Graduada pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), atualmente a profissional do Sistema Confea/Crea  leciona no Departamento de Engenharia da Universidade de Cuiabá, campus Rondonópolis, e desenvolve projetos de sua modalidade de atuação.

“Encontrei aprendizado nessa modalidade e considero que os estudos são contínuos. Vale ressaltar que, além de estudar muito nas áreas da física, matemática e computação, os engenheiros mecânicos devem mergulhar no aprendizado sobre tecnologia. Boas habilidades de comunicação também podem ajudar e muito o trabalho com grandes empresas e indústrias”, ressaltou Priscila ao falar um pouco de sua profissão.

Formada em Engenharia Sanitária pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), com especialização em Segurança do Trabalho e MBA em gestão empresarial pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), Rosidelma Guimarães é conselheira do Crea-MT pela Associação dos Engenheiros Sanitaristas e Ambientais de Mato Grosso (AESA-MT) e diretora-financeira do Crea-MT. Atualmente é presidente da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (ABES), seção Mato Grosso e é diretoria de Regulação e Fiscalização da Agência Municipal de Regulação de Serviços Públicos Delegados de Cuiabá (ARSEC).

“O papel das mulheres está cada vez mais importante na sociedade, pois desenvolvem várias funções ao mesmo tempo: são esposa, mãe e profissional. Na Engenharia suas habilidades são relacionadas ao desenvolvimento econômico, ao saneamento, saúde, bem como ao Meio Ambiente, promovendo trabalhos em grandes corporações públicas ou privadas, conquistando lideranças. Nós mulheres fazemos a diferença não só em Mato Grosso, mas a nível Brasil, sendo sempre colocadas no ranking de metas alcançadas”, destacou a conselheira do Crea-MT, Rosidelma Guimarães.

Engenheira civil formada pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Marciane Prevedello Curvo é conselheira do Crea-MT e coordenadora do Congresso Estadual de Profissionais (CEP 2022) e membro da Associação Brasileira de Engenheiros (Abenc-MT), seção Mato Grosso. Ocupou também a cadeira de 1° vice-presidente do Crea-MT e exerce a função de diretora-geral da Caixa de Assistência dos Profissionais do Crea Mato Grosso (Mútua-MT) há seis anos.  Possui mais de 20 anos de profissão e de experiência no ramo, sendo oito deles, no setor Público. Ao destacar o papel da mulher engenheira, Marciane contou um pouco da modalidade de Engenharia Civil.

“Costumo dizer que a engenharia é uma das profissões mais ricas em relação à demanda, além de possuir um leque de opções agregadas aos trabalhos. Essa profissão tem muitas atribuições. As diferentes modalidades, categorias precisam ser unidas, para não prejudicarmos as funções de cada um. Como atualmente existem mais 250 profissões pertencentes ao Sistema Confea/ Crea, há uma luta em relação as atribuições, motivo pela qual a entidade de classe defende o profissional da Engenharia. Apesar que a crise econômica que assolou o país trouxe diversos impactos para a área da construção civil. Com a pandemia, alguns efeitos negativos abalaram a confiança dos investidores do segmento. Entretanto, alguns fatores têm elevado a área da Engenharia Civil. Estamos em pé e lutando por um país e um Mato Grosso melhor, em prol das nossas profissões do Sistema Confea/Crea”, detalhou Marciane.

Atualmente no âmbito do Crea-MT, dos 42 conselheiros titulares e seus respectivos suplentes, 14 são mulheres. Dentre elas, 92% são profissionais das mais diversas áreas da Engenharia. De acordo com o Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea), dos mais de um milhão de engenheiros cadastrados até o final de 2021, cerca de 19% são mulheres.

No campo da construção civil, segundo os dados mais recentes do Painel da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), do Ministério do Trabalho, ano base de 2020, a participação das mulheres, trabalhando com carteira assinada, teve aumento de 5,5% em relação ao ano anterior. Além disso, conforme o último Censo da Educação Superior do Ministério da Educação, de 2018, o público feminino é maioria na sala de aula de algumas áreas da engenharia.

Apesar de ainda discreta, é notório o crescimento da participação feminina em associações e sociedades de representação profissional e nos órgãos de regulamentação e fiscalização. Em fevereiro deste ano, o Sistema Confea/Crea e Mútua atingiu a marca de 200 mil mulheres associadas.

 

Sarah Mendes e Cristina Cavaleiro / Gerência de Relações Públicas, Marketing e Parlamentar (GEMAR) , artes: Igor Bastos /Fotos: Arquivo Pessoal