1) – Um breve relato da formação e experiência profissional do Governador ?

Formei em Engenharia Elétrica na Universidade Federal de Mato Grosso(UFMT), em 1985. Após a minha formatura, fiquei um ano na busca por uma colocação profissional, ou seja, desempregado. Foi quando abri a minha primeira empresa. Desde então, não sai mais daqui e constitui família e com muito trabalho me tornei empresário dos segmentos de estruturas metálicas, mineração, energia e concessões.Em virtude da minha trajetória profissional, fui presidente da Federação das Indústrias de Mato Grosso(Fiemt), do Serviço Social da Indústria (Sesi) e do Serviço Nacional  de Aprendizagem Industrial (Senai). No período como presidente do Sistema Fiemt, o Senai foi considerado o melhor do país, pela atuação na capacitação de mão de obra para atender o setor industrial do Estado, valorização dos cidadãos que residem em Mato Grosso, oportunizando empregos e melhorias na condição de vida. Pelo trabalho desenvolvido exerci o cargo de vice-presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI).Também exerci o cargo de prefeito de Cuiabá e após a eleição de 2018, com vitória no primeiro turno, hoje estou no cargo de governador de Mato Grosso.

2) – Como o Senhor vê os desafios para os profissionais da Engenharia elétrica no nosso estado ?

O grande desafio para o profissional é se adequar as mudanças do mercado de trabalho e conseguir enxergar qual o perfil que esse mercado precisa. Só para citar como exemplo, hoje em Mato Grosso temos muitas usinas de etanol de milho se instalando e outras já em funcionamento que, além de produzir o etanol, ainda geram energia. Esse é um mercado novo, em expansão e que temos que entendê-lo. Além das pequenas centrais hidrelétricas.

Nosso Estado também está em constante transformação, crescimento e cheio e oportunidades seja no setor de energia renováveis, na infraestutura e na expansão de setores como telecomunicações. O jovem profissional também precisa ter foco e saber que a demanda por ele é grande, mas o mercado precisa de pessoas com conhecimento, capacidade e comprometidas.

3) – Que importância tem o profissional da Eng. elétrica para o desenvolvimento econômico para o estado de Mato grosso ?

Nosso Estado está crescendo muito e tem um potencial imenso para se expandir. O crescimento não é apenas na infraestrutura, mas como já citado acima, na geração de energia e no setor de telecomunicações. Por isso, o profissional capacitado, sintonizado com o mercado, será fundamental para contribuir com o desenvolvimento econômico do nosso Estado.

4) –  Quais conselhos o senhor daria para um jovem estudante que está iniciando sua carreira na Eng. elétrica ?

Foco, determinação e acreditar em si mesmo. Esses pontos são fundamentais para conseguir trilhar uma carreira bem sucedida. O jovem não precisa ter medo do desconhecido, precisa ter capacidade, interesse, se capacitar e acreditar que tudo dará certo. Sempre coloquei Deus na frente e trabalhei muito. Isso me levou até onde estou.

5) –  Considerações finais que o Governador gostaria de fazer nesse dia que se comemora , o dia do Eng. Eletricista ?

Tenha orgulho da profissão. Somos importantes para a sociedade, para o desenvolvimento do país e, principalmente, para melhorar a qualidade de vida da população. Se valorize e tenha consciência da sua importância.

Eloí da Silva Pereira/ Equipe de Comunicação Crea-MT