31 de Janeiro, uma data de comemoração para os que escolheram esta profissão onde só permanece e prospera quem realmente tem uma visão holística sobre as questões ambientais.

Nunca a sociedade se preocupou tanto com o meio ambiente. A sustentabilidade já é algo presente no dia-a-dia e isso só tende a aumentar. E os investimentos em titulações na área ambiental são reflexo dessa nova realidade. No mercado profissional, o resultado é observado tanto no setor privado quanto no público, que necessitam cada vez mais de profissionais voltados para o desenvolvimento econômico sustentável, ou seja, que respeitem os limites dos recursos naturais.

A Engenharia Ambiental começou a ser discutida na 1º Conferência Mundial sobre Meio Ambiente em 1972, em Estocolmo, na Suécia e só chegou ao Brasil no início dos anos 80 quando o saneamento básico começou a ser pauta na administração pública e privada.

O curso de Engenharia Ambiental no Brasil foi criado pela Portaria nº 1.693, de 05 de dezembro de 1994, do Ministério de Estado da Educação e do Desporto. Mas apenas em 2000 o Conselho Federal de Engenharia e Arquitetura – CONFEA começou a aceitar os registros desses profissionais através da resolução nº 447/2000.

O Engenheiro Ambiental busca atuar em diversas áreas desenvolvendo e aplicando tecnologias para proteger o ambiente dos danos causados pelas atividades humanas.

Sua principal função é preservar a qualidade da água, do ar e do solo e buscar medidas mitigadoras quando o dano ambiental não pode ser evitado. Para isso planeja, coordena e administra projetos ambientais, atua na prevenção e controle da poluição causada por indústrias. De modo geral, tanto no âmbito público como privado, sua atuação deve atender aos objetivos da Política Nacional do Meio Ambiente e das demandas que o mercado de trabalho exige.

Em setembro de 2015, a Associação dos Engenheiros Ambientais de Mato Grosso – AEAM MT completou três anos em atividade e agora pode ser efetivamente reconhecida pelo Sistema Confea/Crea. A partir deste ano, poderemos promover mudanças com mais ênfase para a categoria no estado de Mato Grosso mostrando toda a sua importância para os profissionais do Sistema Confea/Crea e toda a sociedade mato-grossense apresentando suas devidas atribuições. Precisamos mostrar à sociedade para o que viemos. Mas a categoria Engenharia Ambiental, ainda enfrenta e enfrentará vários desafios, há resistência dentro do próprio Sistema Confea/Crea e também falta de sensibilidade dos engenheiros ambientais em lutarem pela sua profissão. Criar uma associação da categoria é fácil, difícil é mantê-la e motivar os profissionais buscando o fortalecimento e valorização da classe.

União e Comprometimento! Estas são as palavras que necessitamos colocar em prática. Só assim iremos vencer todos os desafios. Pois juntos somos mais fortes.

Por isso, pedimos paciência e que vistam a camisa da Engenharia Ambiental, pois um grupo unido e homogêneo tem muita força! É através da AEAM-MT que os engenheiros ambientais podem se unir, debater questões em comum e encontrar nela o suporte necessário para o crescimento da profissão. Ela é a imagem e a representação de todos os engenheiros ambientais no mercado de trabalho no estado de Mato Grosso.

Parabenizo em nome da AEAM-MT, todos os profissionais e futuros Engenheiro Ambientais de Mato Grosso pelo nosso dia. Parabéns!

Kamila Barros Bonfim, Engenheira Ambiental, Presidente da Associação dos Engenheiros Ambientais de Mato Grosso (AEAM-MT) e Superintendente na Associação Nacional dos Engenheiros Ambientais (ANEAM).