Representantes do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA-MT) participaram a convite da Faculdade de Tecnologia Senai Mato Grosso (Fatec Senai), nos dias 10 e 11 de outubro, da reunião do Comitê Técnico Setorial Regional, cujo objetivo foi discutir entre outros pontos, a carga horária, conteúdos, competências dos cursos superiores de Tecnologia em Automação Industrial, Eletrotécnica Industrial e Manutenção Industrial.

Estes três cursos serão ofertados na unidade do SENAI, em Várzea Grande, no próximo ano e, a instituição pretende preparar profissionais que de fato atendam às necessidades e demandas do mercado de trabalho mato-grossense.

Além do CREA-MT, também fizeram parte do comitê a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), o Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT) e representantes da indústria mato-grossense e de sindicatos, somando cerca de 15 especialistas. Com relação à participação do CREA-MT, a expectativa foi que o Conselho contribua, entre outros aspectos, esclarecendo as diferentes competências que podem ser solicitadas de técnicos e tecnólogos.

Segundo a coordenadora metodológica no Comitê, a professora Marcia Helena Scabora, a participação do Conselho é muito importante.  “Nós queremos que os cursos tenham suas atribuições distintas e que as delimitações de atuação destes profissionais sejam bem definidas e nisso o CREA-MT contribui, entre outros aspectos, esclarecendo as diferentes competências que podem ser solicitadas de técnicos e tecnólogos”, destacou a professora.

Para o Engenheiro eletricista, Edson Domingues de Miranda, que participou representando o CREA-MT nos debates sobre os cursos de Automação Industrial e Eletrotécnica Industrial, foi uma discussão ampla e pontos como carga horária, conteúdos, competências foram submetidas à avaliação dos presentes. “Este processo é positivo, assim o curso já nasce atendendo ao que se estabelece para a regularização junto ao Conselho”. Isto porque alguns cursos são abertos e, quando os alunos saem e vão em busca da carteira no Sistema e descobrem que não receberam a preparação para receber o registro profissional.

“Como sou da Câmara de Ensino e Conselheiro achei que a participação do CREA foi fundamental, eles foram super profissionais, apresentaram toda a estrutura do curso e pudemos contribuir e esclarecer, principalmente, sobre as atribuições destes futuros tecnólogos. Além disto, nos colocamos a disposição para as dúvidas sobre a legislação e PL´s que estão surgindo e afetam a profissão”, detalhou o engenheiro.

Também representando o CREA-MT, o Engenheiro Eletricista Saulo Augusto Ribeiro Piereti, colaborou na discussão sobre o curso de Manutenção Industrial. “Foi de extrema importância essa iniciativa de convidar o Conselho para fazer parte do Comitê. É preciso que as atribuições dos profissionais fiquem bem claras para a comunidade.  As pessoas precisam saber quais as atribuições das formações profissionais e onde podem atuar”, defendeu o engenheiro. Inclusive, devido ao sombreamento que algumas áreas da engenharia promovem, muitos profissionais têm dúvidas sobre o limite de suas atribuições, além dos contratantes dos serviços.

Cleci Pavlack – Gecom/CREA/MT