O plano de recuperação da América Latina Logística (ALL) contempla 12 mil quilômetros de extensão de malha viária que cortam os estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Entre os investimentos financiados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), da ordem de R$ 1,12 bilhão destacam-se a remodelação e modernização da via permanente, a construção de novos pátios de cruzamento, reforma de vagões e locomotivas, modernização de sistemas operacionais e o aumento da capacidade de terminais de movimentação de cargas. O projeto prevê ainda investimentos para a superação de gargalos logísticos. Serão construídos viadutos nas cidades de Paranaguá, Londrina, Ponta Grossa e Piraquara, no Paraná. Também serão efetuadas obras de implantação dos contornos dos municípios de Curitiba (43 km) e Joinville (16,9 km) e também em São Paulo, cercamento da via permanente no trecho da Baixada Santista (9 km), com a construção de dez passarelas, além do isolamento das linhas ferroviárias no Porto de Santos. Entre os principais méritos dos projetos estão a redução dos custos logísticos de transporte, sobretudo os relacionados ao escoamento de grãos, o aumento da capacidade de transporte do sistema ferroviário e o estímulo à utilização do modal ferroviário, com a conseqüente redução da concentração no transporte rodoviário. Com os financiamentos à ALL do Brasil e à Brasil Ferrovias, o BNDES dá mais uma contribuição para o desenvolvimento da infra-estrutura de transportes brasileira, cujos investimentos são prioridade da política operacional do Banco. SALDO - Em 2006, os desembolsos do BNDES no setor ferroviário somaram R$ 500 milhões, envolvendo projetos de construção e reforma de vagões e investimentos em ferrovias. Já as aprovações de financiamentos ao setor ferroviário atingiram no ano passado nível recorde de R$ 2,2 bilhões, equivalentes a investimentos totais de R$ 7,5 bilhões, reflexo da retomada do setor. O BNDES, por meio da BNDESPAR, participa do grupo controlador da ALL, detendo 7,03% do capital votante. A participação da BNDESPAR no capital total da empresa é de 12,7%, com ações a valor de mercado superior a R$ 1,5 bilhão. TRECHO MT - A ALL prorrogou para até o final desta quinzena a escolha da empresa que fará o estudo para definir o traçado dos trilhos até Cuiabá. Ontem, a assessoria informou que duas empresas na área de consultoria e que já prestam serviço à controladora, têm interesse no trabalho, "mas a definição sairá até o final desta quinzena". (Com assessoria) Fonte: Diário de Cuiabá.