Artigo de Federico O. Velásquez Puga sobre os aspectos farmacológicos que devem ser avaliados na escolha do produto para a produção animal. Redação (11/12/06) - Temos mantido um diálogo aberto com os produtores através destas notas informativas. É nossa intenção brindar-lhes com a oportunidade de uma consulta rápida que atualize suas opções para adquirir os produtos adequados. Para sabermos qual deve ser a correta escolha e utilização de um determinado produto temos verificado uma série de fatores, entre estes, os relacionados aos aspectos farmacológicos dos mesmos. Entre os quais vale lembrar: FARMACOLOGIA: A ciência que estuda a ação de substâncias químicas num organismo vivo. FARMACODINÂMICA: Estuda os mecanismos de ação dos medicamentos. FARMACOCINTICA: Estuda o caminho percorrido pelo medicamento no organismo animal. FARMACOTÉCNICA: Estuda o preparo a purificação e conservação dos medicamentos. FARMACOGNOSIA: Trata da obtenção, identificação e isolamento de princípios ativos. FARMACOLOGIA CLÍNICA: Compatibiliza as informações obtidas no laboratório, avaliadas em animais saudáveis, com aquelas obtidas em animais enfermos. FARMACOTERAPÊUTICA: Uso do medicamento para tratamento de enfermidades. IMUNOFARMACOLOGIA: Conhecimentos gerados a partir da imunologia. TOXICOLOGIA: Estuda os efeitos tóxicos dos medicamentos, se existirem. Como podemos observar, a Farmacologia permite abordagens diversas. Atualmente, enfatiza-se a relação entre doses e mudanças de concentrações dos medicamentos no organismo animal em função do tempo decorrido após sua administração. Também podemos citar fatores relativos ao meio ambiente tais como: QUALIDADE DA ÁGUA TEMPERATURA HUMIDADE EQUIPAMENTOS CONSERVAÇÃO DO MEDICAMENTO AO ABRIGO DA LUZ SOLAR Além do citado, devemos levar em consideração, e isto é de extrema importância, o comportamento das bactérias que vamos controlar. No caso específico vamos comentar sobre as bactérias do grupo das Gram negativas. Este grupo de bactérias é identificado pela coloração que adota ao fazermos o tingimento de um esfregaço onde estão contidas adotando uma coloração rosa. Para realizarem seu metabolismo fermentativo respiratório, utilizam um substrato simples, glicose, contido na alimentação dos animais. Quando este substrato é mais complexo as bactérias fazem um grande esforço para os desdobrar até transformá-los em glicose e poder aproveitá-los no seu metabolismo. Este processo gera uma série de aminas e gases de amônia que vão aumentar a sua presença no ambiente dos galpões onde estão alojados os animais trazendo como conseqüência uma irritabilidade nas vias superiores dos animais, facilitando a fixação das bactérias na mucosa da traquéia, penetrando na corrente sanguínea ocasionando os processos infecciosos nos diversos órgãos. Assim como também gera um aumento da produção de ácido lático provocando, um aumento do Peristaltismo Intestinal, o que irá prejudicar a absorção dos nutrientes contidos nos alimentos devido à aceleração da passagem dos mesmos pelo trato digestório. Ao conhecermos os mecanismos de comportamento deste grupo de bactérias, podemos eleger o medicamento adequado, que ao atuar sobre o grupo das mesmas, irá controlar os problemas ocasionados ou que possam vir a ocasionar, mantendo assim um trato gastro intestinal mais íntegro com melhores condições de absorver os nutrientes e obterá melhores ganho de peso, melhor conversão alimentar e menor índice de mortalidade, que são os objetivos principais de seu agronegócio para alcançar uma maior rentabilidade. Dr. Federico O. Velásquez Puga Gerente de Produto Colistina/Uniquímica Fonte: Assessoria de Imprensa Uniquímica