Com o objetivo de defender os interesses da aviação agrícola e o fortalecimento da atividade em todo o território mato-grossense o Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola (Sindag), representado pelo seu secretário executivo Júnior Oliveira solicitou uma audiência com o presidente do Crea-MT, João Pedro Valente, nessa quarta-feira 06 de fevereiro.

“O Crea-MT tem o entendimento que o setor da aviação agrícola é um dos principais fomentadores para o desenvolvimento tecnológico, principalmente no combate e defesa de pragas. Sabemos que o País tem a segunda maior e uma das mais eficientes aviações agrícolas do mundo. Segundo a Agência Nacional de Aviação Agrícola (ANAC), que fiscaliza e monitora o setor, são mais de dois mil aviões agrícolas no país, 240 empresas aeroagrícolas e 548 operadores privados, disponíveis para contribuir com a agricultura de forma mais eficiente como a semeadura e aplicação de fertilizantes, trato de florestas, combate a incêndios florestais, povoamento de rios e lagos. E, ao contrário do comumente se pensa, a aplicação de defensivos pelas aeronaves pode ser ainda mais seguro para o meio ambiente e para os colaboradores envolvidos, diante da regulação e legislação específicas, cuja operação é fiscalizada por pelo menos cinco órgãos, além dos Creas, o Ministério da Agricultura, a própria ANAC, o IBAMA, secretarias estaduais e prefeituras, além do Ministério Público”, resumiu o presidente João Pedro Valente ao colocar o Conselho à disposição do Sindicato.

Segundo Júnior Oliveira a visita de aproximação também objetiva a troca sobre boas práticas ambientais e agrícolas. ““Esse trabalho já vem sendo realizado junto aos demais Creas de todo o país além das principais entidades do setor como as Federações de Agricultura, a Aprosoja, entre outras. Temos um grupo de trabalho com essas entidades agrícolas, justamente para trocar informações sobre boas práticas e inovações tecnológicas, para assim atualizar as regulamentações, para que estejam dentro dos padrões científicos atuais”, declarou.

Junior Oliveira pontuou ao presidente do Crea-MT, que o entendimento do Sindag é que “toda empresa de aviação agrícola obrigatoriamente, pela legislação atual, deve ter um engenheiro agrônomo responsável, atualizado e registrado no Crea. Neste ano, pretendemos nos aproximar dos legisladores novos, e como a entidade representativa dos agrônomos é o Crea, queremos que esteja junto somando ao setor”, afirmou.

Também participou da reunião o assessor técnico do Crea-MT, Érico Mello.

*Texto e Fotos: Jornalista Rafaela Maximiano

Equipe de Comunicação do Crea-MT