O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Mato Grosso (Crea-MT) apoia a 37° edição do Circuito Nacional do Setor Elétrico (CINASE), realizado 06 e 07 de novembro em Cuiabá.

A edição do evento em Mato Grosso é organizada pela Editora Atitude Editorial e pela Revista O Setor Elétrico, e já consolidado no cenário nacional e reúne toda a cadeia produtiva de energia elétrica, a nível nacional e internacional, levando temas técnicos e novas tecnologias que estão modificando e revolucionando o mercado de eletricidade.

O presidente do Crea-MT, João Pedro Valente explicou que a parceria do Crea-MT com o Cinase vem ao encontro dos profissionais da Engenharia dessa modalidade do Sistema Confea/Crea, por ser um evento de grande magnitude do setor elétrico. E é visível a dependência da população como um todo da energia, apesar do país passar por um momento difícil, existe uma perspectiva de crescimento desse ramo. É um momento de se discutir as necessidades de fortalecer a geração de energia com fontes renováveis, como fotovoltaica e outras.

Presidente do Crea-MT, João Pedro Valente

“A energia movimenta o país, inclusive a produção agrícola. É preciso   permitir buscas de alternativas que sejam viáveis para o Brasil como um todo. Para nós do conselho que lidamos com todas as engenharias, a “elétrica” faz parte do nosso portfólio de produções. É extremamente importante a iniciativa por trazer atualização, conhecimento e soluções para os problemas da sociedade. O evento permite refletir sobre o assunto, pensando na responsabilidade que tem esse campo. O órgão passa por um momento bastante difícil, assim como todos os conselhos de profissões, por meio de uma ameaça de desregulamentação da nossa profissão. Nós precisamos deixar claro que a nossa classe efetivamente não pode ser desregulamentada. É necessário que os projetos elétricos sejam desenvolvidos por profissionais legalmente habilitados e capacitados”, ressaltou o presidente do Crea-MT, João Pedro Valente.

Presidente do Crea-MT, João Pedro Valente, reitor em exercício da UFMT , Evandro Soares da Silva e diretor comercial da empresa Plastibras, Adilson Valera Ruiz

Com o lema: “Uma viagem pelas instalações elétricas”, o evento tem viajado por diferentes Estados brasileiros, ao menos quatro vezes ao ano, com o objetivo de disseminar informações técnicas do setor elétrico, agregadas ao conhecimento que cada Estado tem a oferecer. A 37ª edição do evento conta com 40 palestrantes especialistas nas mais diversas áreas do setor nos dois dias de evento.

Na oportunidade, o presidente da Federação das Indústrias no Estado de Mato Grosso (Fiemt), Gustavo Oliveira, conduziu a palestra: Panorama indústria, as Instalações Elétricas. A importância da redução dos custos de energia elétrica para a competividade da Industria.

Presidente da Fiemt, Gustavo Oliveira

“ Mato Grosso no cenário nacional é um grande expoente no setor elétrico. É um estado que a poucos mais de 20 anos tinha um problema de abastecimento de energia elétrica. Muita gente que estava no estado nessa época conseguiu virar com sucesso a página dessa situação, transformando potência na produção de energia, e mais do que isso, desenvolver empresas que oferecem soluções importantes nessa área.

Isso é feito com base de técnica, pesquisa e desenvolvimento, além do apetite de negócios por parte do empresário, muito mais do que tudo isso, quando se tem uma economia que é capaz de absorver esse investimento. O Estado se destaca pelo agronegócio através da tecnologia embutida. Essa ferramenta   também está no setor elétrico, por meio de programa de eficiência energética de automação de plantas de processamento que podem dar ganho de produtividade e economia para o empresário”, detalhou Gustavo Oliveira.

Assessor parlamenta do Crea-MT, Eloi Pereira, presidente da Fiemt e profissionais do ramo da engenharia

Ainda segundo o presidente da Fiemt, um evento nacional como esse proporciona a contextualização de Mato Grosso no senário nacional, ao discutir perspectiva de futuro. A ideia da palestra é expor as mudanças que estão acontecendo no país, qual a agenda que o empresário especificamente do setor energético tem que compreender como modelo de nível Brasil. Já que ele está em um momento de forte questionamento de propostas e as mudanças são fundamentais para promover a proatividade.  Mostrar mudanças que levam o país para uma condição melhor.

“ Através de uma Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que é da década de 40, conseguimos fazer uma reforma trabalhista e agora as empresas patinam para implementa-la, já está aprovada. Dessa forma temos modificações no marco regulatório, matriz energética, em conceitos que até pouco tempo eram firmes na nossa sociedade. Destaca um pouco como o empresário tem um novo olhar para o Brasil que vem mudando tanto”, explicou Gustavo.

Diretores da Revista O Setor Elétrico e organizadores do CINAS, Adolfo Vaiser e Simone Vaiser

O diretor da Revista O Setor Elétrico e organizador do CINAS, Adolfo Vaiser detalhou que além das palestras dos especialistas do CINASE presentes em todas as edições, engenheiros, técnicos e tecnólogos de cada região apresentaram suas experiências e inovações ao público do evento, tanto que o encontro é palco de exposição, trazendo novidades e muito “networking”, que significa trabalho em rede.

Assessor técnico do Crea-MT, Eng. eletricista Carlos Hugueney Franco

O evento é itinerante e, pelo fato de sair de São Paulo, faz com que preenchamos uma carência elétrica que existe Brasil afora. Dessa forma foi criado um evento que possa marcar a região pela qual o CINASE passa, com a chance de o profissional se atualizar sobre o que há de novidade no setor. Organizamos um congresso técnico com exposição simultânea, onde todos os estandes são padronizados.

“Importante ressaltar que a exposição agrega uma grande quantidade de empresas, entre patrocinadoras e apoiadoras da região e nível nacional. Todo esse esforço não faria sentido e não alcançaria tanto sucesso como vem adquirindo nos últimos anos se não fosse o envolvimento de importantes empresas e entidades locais, que têm nos apoiado na divulgação do evento, como por exemplo, o Crea-MT, a empresa TRAEL, UFMT e demais universidades, empresas de engenharia e projetos, revendas de materiais elétricos, a Federação das Indústrias, entre outras”, comenta Simone Vaiser, diretora da Revista O Setor Elétrico e organizadora do CINASE.

Texto e fotos: Cristina Cavaleiro/Equipe de Comunicação