A entrevista do mês de setembro destaca o trabalho desempenhado pelo profissional ligado às ciências exatas, que pode exercer diversas funções, como atuar no treinamento e formação de profissionais, execução de processos e supervisão, concepção de produtos, gerenciamento de vendas técnicas e de projetos, inclusive nas etapas de planejamento e execução.

Para homenagear o dia do Engenheiro Químico comemorado em 20 de setembro, o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Mato Grosso (Crea-MT), entrevistou o conselheiro suplente Noé Rafael da Silva, que é bacharel em Engenharia Química em 1975 na Universidade Federal Rural no município de Seropédica do Rio de Janeiro e diretor-secretário do Sindicato dos Engenheiros do Estado de Mato Grosso (Senge-MT).

Começou a carreira profissional como professor de Química no Colégio Marechal Rondon na cidade de Paracambi, no Rio de Janeiro. Em 2005 trabalhou como gerente operacional e diretor de Operações na Companhia de Saneamento da Capital (Sanecap) e na concessionária de Serviço de Saneamento (CAB), atuou como engenheiro operacional. Foi professor no instinto Colégio Antares e professor da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

Desenvolveu projetos na Companhia de Saneamento do Estado de Mato Grosso (Sanemat), coordenou o projeto de fluoretação das Águas de Cuiabá, Cáceres e Rondonópolis. Trabalhei no projeto de implantação do sistema de Esgoto de Cuiabá. Implantação e Operação das Estações de Tratamento nos municípios de Barra do Garças, Nortelândia, Torixoréu, Colider, Dom Aquino, Nobres, Mirassol do Oeste e na cidade de Cassilândia no Estado de Mato Grosso do Sul. Inventou um dosador de Cloro em pastilha para poço tubular profundo.

Gecom- O que levou a escolher o curso de Engenharia Química?

Noé- Ainda jovem trabalhei como envasador na Indústria Guaraná Sabiá no município de Rondonópolis, o que gerou muita curiosidade em aprofundar o conhecimento nas Operações das Industrias Químicas.

Gecom- Quais seguimentos esse profissional pode atuar?

Noé- Existe uma diversidade de áreas em que o engenheiro químico pode atuar, tais como na fabricação de tintas e vernizes, extração de minério, Indústrias do fracionamento de Petróleo, Companhia de Gás, Tratamento de Água e Esgoto, Tratamento de Efluente Industrial, Extração de matérias-primas, Fabricação de plásticos, têxteis, papel e celulose e desenvolver produtos, equipamentos e embalagens.

Trabalhar em projetos e dirigir a construção, montagem de fábricas e operação. Pode desenvolver projeto de pesquisa de controle da poluição das águas, do Ar e do solo, na produção de açúcar, álcool, biocombustível, laticínios, cal, vidros, cimento, cerâmica, produtos de limpeza e higiene, cosméticos, perfumes, produção de cerveja e refrigerantes. Estudar a viabilidade técnica e econômica da produção de novos produtos.

Desempenhar novos equipamentos para otimizar o processo físico-químico de transformação de matéria-prima. Desenvolver normas e técnicas de manipulação e descarte de produtos químicos. Melhorar as técnicas de extração de matérias-primas. Pesquisar novas aplicações para produtos existentes. Efetuar vistorias, perícias e avaliações para a emissão de laudos técnicos. Realizar Licenciamento Ambiental para Implantação de Indústrias. E trabalhar com Pesquisa científica e magistério.

 Gecom-O que faz um engenheiro químico?

Noé- O Engenheiro Químico trabalha em projetos, implantação e controle de Qualidade, operação de qualquer forma de produção extração e controle.

Texto e foto: Cristina Cavaleiro/Equipe de Comunicação do Crea-MT