“O resultado de tudo o que fazemos como profissionais – cada vez que vocês desenvolvem uma atividade, e aplicar seu conhecimento – é algo de bom para a sociedade.

O produto do nosso trabalho é fazer o bem para alguém, nós garantimos a qualidade de vida das pessoas”, disse o presidente do Crea Mato Grosso, engenheiro agrônomo João Pedro Valente, para a turma de 30 estudantes do primeiro ano do curso de Engenharia Agronômica da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

A palestra foi realizada na tarde dessa terça-feira (06/02), e englobou os temas: sobre as funções e estruturação do Crea-MT, fiscalização do exercício profissional e o mercado de trabalho, Crea Jovem, a normatização do Sistema Confea/Crea e mútua, entidades de classe e a importância da inserção do profissional, o registro profissional, acervo técnico, entre outros assuntos.

“Posso afirmar que, a fiscalização do exercício profissional, gera mercado de trabalho para várias pessoas”, disse Valente, ao ressaltar o papel da fiscalização profissional com potencial de gerar melhorias para a cadeia produtiva.

O evento foi organizado pelos professores da disciplina de Introdução à Agronomia, Aluisio Borba Filho e Leini Kobayasti. Os professores explicaram que é importante trazer as informações sobre o Sistema Confea/Crea aos alunos uma vez o assunto não está previsto na grade curricular mas é fundamental para a formação do profissional uma vez que a universidade passa o conhecimento e o Crea habilita o profissional a trabalhar.

“Sempre perguntamos para nossos alunos que iniciam o curso: ‘Você sabe o que é o Crea?’ ‘O que significa Crea?’ e entre risos e brincadeiras, eles nos questionam qual a importância do registro profissional para poder trabalhar. Então sempre pedimos para alguém do Crea vir conversar com eles. E, neste ano, tivermos a honra de receber o presidente”, detalhou o professor Aluisio Borba Filho.

Segundo o presidente do Crea-MT, João Pedro Valente, foi importante e satisfatório ministrar a palestra e poder conversar com os jovens. “Fiquei feliz do convite pois sou professor aposentado da UFMT e é bom retornar a essa Casa que me acolheu por mais de trinta e cinco anos”, declarou.

Em seguida, Valente explicou que, no Brasil, as profissões da área tecnológica são registradas no Sistema CONFEA/CREA/MUTUA.

“O país entendeu que as nossas profissões, se exercidas por leigos, causam risco para a sociedade”, explicou o engenheiro. Esclareceu também que três pilares compõem o sistema profissional: as instituições de ensino – que formam os profissionais; os conselhos – que habilitam e fiscalizam o exercício profissional; e as entidades de classe ( Associações e Sindicatos) – que os representam, mobilizam e defendem os interesses profissionais e trabalhistas dos profissionais.

“A inserção do profissional começa na escolha da profissão ao entrar para a faculdade.

Em seguida ele recebe conhecimento e se forma para então receber o registro no Crea. Quando você obtém esse registro, passa a ser responsável pela atividade exercida”, explicou o presidente.

A estudante Larissa dos Santos Nascimento, considerou a palestra dinâmica. “Já tinha ouvido falar do Crea, mas não do Confea”, disse Larissa. “Eu não sabia muito bem o que o Conselho fazia e não sabia que havia tanta legislação.

A palestra foi muito interessante pois também transmitiu a importância de nos tornarmos profissionais devidamente habilitados para exercermos a profissão de engenheiros Agrônomos”, afirmou.

O professor da disciplina, disse ao final lamentar que a palestra não tenha durado mais tempo. “Foi uma oportunidade espetacular, a participação do Crea-MT contribui com a formação dos alunos, que já vão entendendo como o mundo profissional funciona”.

Equipe de Comunicação do Crea-MT