Com 37 anos de carreira profissional, a engenheira civil Noemia da Gama Albernaz, consta no Sistema do Crea-MT com a engenheira com maior tempo de registro ativo. Em entrevista à Equipe de Comunicação do Crea-MT relatou que leva seu Conselho Profissional do coração e fica lisonjeada de ter sido escolhida personagem para ilustrar o Dia Internacional das Mulheres, comemorado no próximo dia 08 de março. 

Filha de militar, mãe de quatro filhos, avó de 12 netos e quatro bisnetos Noemia também foi casada com o ex-presidente do Crea-MT Odenir Vandoni, já falecido. Antes de se formar na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), em 1981, em um curso onde a maioria dos alunos eram homens, a pioneira também já havia optado por formações não convencionais para mulheres na época, como a contabilidade e a marcenaria. Hoje, com 89 anos, afirma que a profissão de engenheira lhe rendeu independência, satisfação de uma carreira profissional sólida, valores pessoais de respeito e foco. 

Gecom- Qual o maior obstáculo enfrentado desde a formação em Engenharia Civil?

Noemia- Meu primeiro obstáculo foi dentro de casa. Quando me formei em 1981, meu marido não permitia que eu trabalhasse fora. Mas com persistência, dedicação e amor fui mostrando para ele que eu precisava levantar vôo e além de me dedicar à família eu precisava exercer a minha profissão. 

Gecom- O que a senhora diria às mulheres que desejam entrar no mercado de trabalho, mas que enfrentam dificuldades parecidas com a que enfrentou?

Noemia- Cada vez mais as mulheres escolhem a engenharia como profissão e conquistam aos pouco seu espaço. Mas essas conquistas ainda vêm acompanhadas de muitos desafios, como por exemplo, a dupla jornada de trabalho que é muito cansativa. Muitas mulheres, assim como aconteceu comigo, são esposas e mães, além de atuarem em cargos de liderança. E ainda enfrentam o preconceito por estarem em áreas que antes eram ocupadas apenas por homens, porém vejo que essa diferença tem diminuído gradualmente. Só tenho a dizer que continuem mostrando competência, seja em casa ou no trabalho. Sejam formadoras de opinião e éticas, para que sejam reconhecidas por suas contribuições à sua profissão. 

Gecom-  O que mais a orgulha em sua da carreira profissional?

Noemia- Tenho muito orgulho pelos serviços que prestei à sociedade mato-grossense, mas em especial destaco o projeto do Edifício Ana e  Alfredo, localizado  na Avenida Barão de Melgaço, em Cuiabá. Fui a responsável pelos cálculos estruturais do empreendimento na época.    

Gecom- Quais sonhos pessoais relativos à profissão você conseguiu realizar?

Noemia- A engenharia é uma profissão que me enche de orgulho principalmente por ter realizado o sonho de várias pessoas edificando a moradia delas e também realizei o sonho de projetar a minha própria casa. 

Gecom- Como a senhora encarou a aposentadoria?

Noemia- Acredito que sempre estive no lugar certo, na hora certa. E sempre gostei de desafios. E foram os desafios da profissão que me permitiram chegar aonde cheguei. E a aposentadoria foi a consequência de muito trabalho e dedicação. Por isso encaro da melhor forma possível. Agora dedico meus dias ao ateliê de costura, gosto de praticar atividades físicas, dirigir, cuidar dos afazeres domésticos e de ser totalmente independente.

*Equipe de Comunicação do Crea-MT