O Regional Mato-grossense foi representado no 4º Seminário de Segurança Contra Incêndio e Pânico, quarta-feira, 27 de novembro, no auditório da Faculdade de Arquitetura, Engenharia e Tecnologia da Universidade Federal de Mato Grosso pelo coordenador da Câmara Especializada de Engenharia Civil (CCEC) do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Mato Grosso (Crea-MT) e coor. Adjunto da CCEEC nacional, o conselheiro eng. civil Silvano Pohl Moreira de Castilho Junior.

Realizado pelo Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso (CBMMT) e coordenado pela Diretoria de Segurança Contra Incêndio e Pânico, o encontro tem o objetivo de apresentar normas e procedimentos para profissionais da segurança e da construção civil.

Para o conselheiro do Crea-MT o Seminário é uma troca de experiência entre profissionais da engenharia e o Corpo de Bombeiros, contando com a participação do Conselho de Arquitetura e urbanismo de Mato Grosso (Cau-MT) e a Associação Mato-Grossense de Engenharia de Segurança do Trabalho.

“ Na oportunidade, fizemos uma explanação sobre quem tinha habilitação e formação para fazer Projeto de Prevenção de Combate a Incêndio (PPCI). O procedimento é da seguinte forma: os bombeiros analisam o PPCI e emite alvará das obras prontas com o projeto já executado. O representante do Cau-MT mostrou que o arquiteto também é permitido fazer o projeto dessa natureza disse Silvano.

Ainda de acordo com o coordenador da CEEC do Crea-MT, em 2018, o Confea respondeu uma decisão plenária, afirmando que engenheiros civis, mecânicos e profissionais com especialização em Engenharia de Segurança podem fazer PPCI. “ O encontro nos levou ótimas notícias. Uma delas é que o Corpo de Bombeiros está implantando um sistema eletrônico para a entrada e aprovação de projetos, movimentando o processo de forma eletrônica. A ideia é eliminar o papel. No painel foi mostrando que a taxa do Corpo de Bombeiros para análise e aprovação de emissão de alvará está sendo revisada, porque  deve ser cobrada somente em cima do serviço executado, ou seja, de análise de projetos e vistoria da edificação”, ressaltou Silvano.

O conselheiro falou também sobre a formação dos profissionais, explicando que somente os engenheiros habilitados são permitidos executar os serviços , dentro da formação daquele determinado profissional. “ Explanamos na questão de aquisição de custos, à exemplo do valor de um projeto já com prevenção de incêndio tem que ser discutido de forma conjunta. Debatemos sobre a lei de Inspeção Predial, informando que já existe esse regra, falta apenas a regulamentação dessa lei para utilização efetiva”, disparou Silvano.

Nos dois dias de evento de atualização técnica em que engenheiros civis, arquitetos e técnicos se aprofundarão nos procedimentos de solicitação, análise e vistoria de edificações ou de instalações temporárias.

O Tenente Coronel Barros, à frente da DSCIP afirmou que o CBM “recebeu queixas de construtores sobre a documentação exigida e atualizamos as normas contra Incêndio e Pânico para que não crie burocracia desnecessária e cumpra critérios de segurança. O desafio foi padronizar os atendimentos”.

O Comandante Geral do CBM, Coronel BM Alessandro Borges, destacou que atender cada vez melhor precisa ser o objetivo da DSCIP. “É importante deixar claro que uma qualificação como essa é essencial para a segurança dos cidadãos”, salientou o comandante.

O 4º Seminário de Segurança Contra Incêndio e Pânico é a última etapa do curso de atualização que os bombeiros que atuam na DSCIP precisaram passar. Durante sua palestra, o Capitão BM Lucas Chermont numerou 46 normas que abrangem todos os itens de segurança necessários em projetos.

A Junta Comercial de Mato Grosso também participou da programação com o workshop “Procedimento Simplificado pela Jucemat”, que abordou para o público interno a padronização de análises realizadas pela equipe de técnicos da autarquia, com o palestrante Rafael Coelho. A intenção foi compartilhar conhecimento e experiências da Junta com a Corporação.

Cristina cavaleiro/ Equipe de Comunicação do Crea-MT