A entrevista deste mês de junho destaca o trabalho desenvolvido pelos engenheiros mecânicos, responsáveis por desenvolver e fazer a manutenção de máquinas e equipamentos para diversos tipos de indústria: automotiva, aeronáutica, eletrodomésticos, informática a afins. Para homenagear os engenheiros mecânicos do Sistema Confea/Crea pelo dia, comemorado em 05 de junho, o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Mato Grosso (Crea-MT) conversou com o engenheiro mecânico e professor universitário Marcos de Sousa e Silva.

O profissional do Sistema Confea/Crea e Mútua possui mais de 18 anos de experiência nas áreas empresarial, acadêmica e engenharia. Já desenvolveu vários  trabalho em fabricas de cerveja, láticos, têxtil, automotivo, imobiliário, universidade, metalúrgico e de Serviços.

Mestre em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal de Uberlândia/UFU (2002) e MBA em Gestão Empresarial pela FAGEN/UFU com ênfase em Planejamento Estratégico e Negócios (1997).

Atualmente é  docente de Graduação e Pós-Graduação nas áreas de Estratégia, Engenharias, Marketing, Metodologia de Pesquisa em Instituições de Ensino Superior e profissional de projetos.

GEMAR O que mais chamou a sua atenção para entrar na área de engenharia mecânica?

Marcos- Na universidade na minha época existia um ciclo básico e você fazia a opção para o curso depois de um ano, nesse período como eu gostava e dominava o desenho, me apaixonei pela mecânica pois eram os projetos mais difíceis. Quando ingressei no núcleo específico descobri minha verdadeira vocação. Associado a isso destaco o imprescindível gosto pela Física e Matemática.

GEMAR- Qual maior desafio do engenheiro mecânico?

Marcos- Atualmente se adaptar as novas exigências tecnológicas que nos são demonstradas diariamente pela Indústria 4.0.

Desde a integração ERP (do PCP ao CRM) até as plataformas de projeto BIM com auxílio e interface tipo SCIA, TQS, Solid Works, Sketchup, Autodesk, ESSS  para projetos e análises; sem nunca deixar de lado o domínio dos conceitos essências para alimentar e analisar os resultados computacionais.

GEMAR-  quais seguimentos esse profissional pode atuar?

Marcos- Inúmeros segmentos, o Engenheiro Mecânico explica como se faz. Em virtude disso sua área de atuação é extremamente ampla e interdisciplinar.

Mas é preciso se especializar, por exemplo, em Térmica e Fluidos, Usinagem, Metalurgia, Processos Industriais, TQC, Lean, etc.

Destacam-se no Mato Grosso as áreas de Indústrias Agroalimentar, Geração de Energia,  Estruturas Metálicas,  Inspeções, Laudos e Perícias; Manutenção de Máquinas Agrícolas e Pesadas; Têxtil; Irrigação; Drenagem e mercado Educacional em todos os seus níveis.

GEMAR- O que faz um engenheiro mecânico?

Marcos- Um Engenheiro Mecânico é um profissional que busca soluções com o objetivo de otimizar processos sejam eles quais forem, ou melhor, minimizar  os custos e maximizar os lucros.

GEMAR- Participa de alguma entidade de classe qual delas, ocupa qual cargo?

Sou profissional filiado ao Sistema Confea/Crea  desde 1997. Membro da Diretoria da Associação dos Engenheiros de Primavera do Leste e Região (AEPLER ) do grupo gestor do Pólo de Irrigação do Sul do Mato Grosso (MDR) e fui Delegado do estado no Congresso Estadual de Profissionais(CEP) e Congresso Nacional de Profissionais(CNP) em  2019.

Cristina Cavaleiro/ Gerência de Relações Públicas, Marketing e Parlamentar (GEMAR)