Crea-MT destaca atuação profissional feminina durante reunião da CCEEI nacional

5 de agosto de 2022, às 9h21 - Tempo de leitura aproximado: 2 minutos

A coordenadora do Crea Mulher em Mato Grosso e adjunta da Câmara Especializada de Geo, Minas e Industrial (CGMI), conselheira eng. mecânica e de Segurança do Trabalho Priscila Bernardi Rockenbach, representou o Crea-MT na 3ª Reunião Ordinária da Coordenadoria das Câmaras Especializadas de Engenharia Industrial (CCEEI) nacional, realizada entre os dias 02 e 04 de agosto, em Foz do Iguaçu, no estado do Paraná.

Durante o encontro, foram debatidos assuntos relacionados às atividades e atribuições profissionais da categoria. Houve ainda a análise do andamento das ações propostas na primeira Reunião Ordinária do ano – ocorrido em Brasília, de 15 a 17 de fevereiro – sendo elas: análise comparativa das disciplinas dos cursos técnicos e dos cursos de Engenharia, com a respectiva atividade exercida; definição objetiva de determinadas atividades das Engenharias que deveriam ou não ser exclusivas dos(as) engenheiros(as) industriais; impacto da Educação a Distância (EaD) na Engenharia, com a proposição de melhorias para o método de ensino.

Além disso, também foi realizada a análise do impacto nacional da falta de mulheres nos cursos de Engenharia – proposta coordenada pela conselheira eng. mecânica e de Segurança do Trabalho Priscila Bernardi Rockenbach. Na oportunidade foi apresentado o respectivo plano de ação, bem como as parcerias necessárias para a mudança deste cenário.

Considerando a urgência do assunto e a necessidade de dar andamento aos órgãos competentes, a pauta ‘Mulheres na Engenharia Industrial’ foi finalizada e votada pelos presentes na reunião. Entre os objetivos alcançados no encontro, destacam-se a análise completa da história profissional das mulheres no Brasil, buscando justificar os motivos dos preconceitos enfrentados enquanto profissionais de Engenharia Industrial; e a criação de um comitê em parceria com a Federação Nacional de Engenharia Mecânica e Industrial (Fenemi) e, posteriormente, com os 27 Creas.

“O Objetivo é fazer uma ampla divulgação, nos quatro cantos do país, incentivando as jovens que ainda estão cursando o ensino médio a realizarem os cursos que desejam – inclusive Engenharia; as engenheiras a seguirem carreira na profissão escolhida; e toda a sociedade a mudar a mentalidade de que mulher não pode, consegue ou quer fazer Engenharia”, destacou Rockenbach.

O comitê em questão será composto não só por engenheiras industriais, mas também por engenheiros da modalidade que possam contribuir para a melhor difusão do assunto. As atividades serão iniciadas em 2023, já com a equipe formada.

Sarah Mendes sob supervisão de Cristina Cavaleiro / Gerência de Relações Públicas, Marketing e Parlamentar (GEMAR)