O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Mato Grosso (Crea-MT), homenageia a Capital pelos 302 anos, através da Engenharia antiga, destacada pelos casarões e prédios antigos que marcaram o crescimento econômico Cuiabá ao longo dos anos.

O presidente do Crea Mato Grosso, Eng. Civil Juares Samaniego explica que a Engenharia tem uma grande parcela no desenvolvimento da Capital desde a sua fundação. “Os trabalhos desempenhados pelos profissionais do Sistema Confea/Crea, marcaram história no crescimento do município, e a cada dia vem contribuindo para o desenvolvimento da “querida Cuiabá”, cidade hospitaleira, calorosa e pujante”, lembrou Juares.

Prédios e casarões  históricos 

O Edifício Maria Joaquina é o  primeiro prédio residencial vertical de Cuiabá, com elevador.  O prédio foi inaugurado conscientemente em 8 de abril de 1969, no   aniversário da capital.  E projetado pelo engenheiro Cássio Veiga de Sá. Possui 15 andares e 52 apartamentos. Hoje observa-se que o Edifício Maria Joaquina é uma forma antiga de se ocupar espaços verticais em Cuiabá.

Edifício Maria Joaquina
Cine Teatro Cuiabá.

Outra obra importante e conhecida na cidade  é atual Cine Teatro  Cuiabá. Foi construído em 1942, para atender a população que clamava por um lugar onde fossem realizadas manifestações artísticas e exibição de filmes. O prédio possui 1182 m² de área construída, incluindo teatro com plateia com capacidade de 515 pessoas. A sala imitava uma espécie de câmera fotográfica antiga.

O Palácio da instrução é outro exemplo de um edifício que anteriormente era uma escola. Contudo,  foi construído em 1914 com o intuito de ser a principal referência da educação de Mato Grosso. Durante 57 anos cumpriu a função de educandário das escolas Normal, Pedro Celestino e Liceu Cuiabano. De pedra canga e cristal nos alicerces, a construção é típica da época e de estilo neoclássico. Atualmente funciona como museu e já recebeu até a Bienal de São Paulo.

Inaugurada em 1977 e reconhecida por arquitetos e engenheiros como uma das mais importantes obras de Capital, o Terminal Rodoviário de Cuiabá Engenheiro Cássio Veiga de Sá   já foi usado como exemplo de estrutura de sucesso em várias outras rodoviárias no país.

Sesc Arsenal

O Ses Arsenal , como o próprio nome deduz, começou a ser construído em 1818, destinado a ser um estabelecimento militar para o conserto e fabricação de armas.

Foi ampliado e adaptado com tempo, com os varandões dos flancos construídos em 1848, nos moldes franco-lusitanos, inspiradas pelas construções oficiais do Rio de Janeiro.

Rodoviário de Cuiabá Engenheiro Cássio Veiga de Sá

É um dos melhores exemplos do estilo neoclássico na capital e de tombamento histórico. Mesmo revitalizado e adaptado para as necessidades de hoje (como restaurante e as salas utilizadas para aulas de dança, etc.), a fachada é praticamente original. Na entrada, há um canhão da época.

Em 1989 o Sesc adquiriu o prédio do Arsenal, mas suas atividades artísticas foram abertas ao público em 2002. Sem dúvidas, é um dos projetos de reocupação de espaços públicos de maior sucesso.

Sobre Cuiabá

Em 8 de Abril de 1719, Pascoal Moreira Cabral assinava a ata da fundação de Cuiabá, no local conhecido como Forquilha, às margens do rio Coxipó. A história registra que os primeiros indícios de Bandeirantes paulistas na região, onde hoje fica a cidade, datam de 1673 e 1682,  como a  passagem do bandeirante Manoel de Campos Bicudo pela região. Ele fundou o primeiro povoado da região, no ponto onde o rio Coxipó deságua no rio Cuiabá, localidade batizada de São Gonçalo.

Em 1718, chegava ao local a bandeira do paulista de Sorocaba, Pascoal Moreira Cabral, que depois de uma batalha perdida para os índios coxiponés, viu-se compensado pela descoberta de ouro, passando a se dedicar ao garimpo.

A Cuiabá conta com população estimada em 618.124, densidade demográfica de 157,66 hab/km², está localizada no Centro Geodésico da América do Sul. Ao longo dos mais de 300 anos de fundação, o processo histórico de urbanização é extenso e complexo.

 

Cristina Cavaleiro/  Gerência de Relações Públicas, Marketing e Parlamentar (GEMAR) Fotos: arquivo público