O salário mínimo profissional para engenheiros e profissionais da área tecnológica que trabalham no serviço público mato-grossense, a regulamentação da lei de inspeção predial, a obrigatoriedade do recolhimento da Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) de cargo e função nos órgãos do governo do Estado, e, o projeto que visa criar um cargo permanente para assessores engenheiros nas prefeituras de Mato Grosso foram alguns dos assuntos debatidos na tarde desta terça-feira (13/03), entre Conselheiros, o presidentes do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Mato Grosso (Crea-MT) e o governador Pedro Taques.

A reunião ocorreu no Palácio Paiaguás, logo após um almoço oferecido pelo governador aos representantes do Crea-MT. “Essa foi a primeira vez que um governador de Mato Grosso recebe o conjunto de Conselheiros do Crea, temos representantes de todas as regiões do Estado e englobamos mais de 300 profissões. Avalio que a reunião foi positiva e acaba estreitando os laços e aproximando os Poderes e Instituições. Levaremos o que foi discutido aqui em Mato Grosso para o Colégio de Presidentes de Creas em Brasília”, avaliou o presidente do Crea-MT, João Pedro Valente.

O presidente do Crea, explicou ainda que a demanda do pagamento do salário mínimo profissional em órgãos públicos é sentida pelos profissionais de diferentes áreas das engenharias e é um assunto que angustia principalmente os jovens profissionais. “Eles se preparam e tem dificuldades de encontrar salários condizentes à sua qualificação por conta de instituições que descaracterizam as profissões e fazem concursos com outras nomenclaturas para evitar a lei que obriga o cumprimento do salário mínimo profissional”.

Taques reconheceu a necessidade de se respeitar o mínimo profissional e ofereceu apoio para que a lei esteja empregada nos futuros editais. O secretário da Casa Civil, Max Russi, que também participou da reunião disse que é necessário regulamentar o mais rápido possível a situação dos profissionais. “É importante o governo receber e dialogar com os segmentos, vendo a realidade. O governo só acerta quando escuta a população de todos os setores e o governador tem feito isso, contribuindo para que possamos fazer um estado com muito mais oportunidades”.

Outros dois assuntos encaminhados pelo governador foram a falta de regulamentação da lei de inspeção predial, sancionada em dezembro de 2016 e que visa verificar as condições de estabilidade, segurança construtiva e manutenção de edificações, e, a obrigatoriedade da existência de um assessor técnico da área de Engenharia no quadro das prefeituras municipais do Estado para dar o devido suporte ao executivo municipal.

Taques também ouviu as considerações de conselheiros representantes de cada região do estado. O engenheiro agrônomo Valmor Volpato, de Sorriso, avaliou a aproximação entre segmento público político e técnico cientifico como um marco positivo que irá trazer bons frutos e ajudará os profissionais e alcançar os resultados esperados. O conselheiro Luiz Omar Piquete, de Água Boa destacou que a reunião foi extremamente produtiva por proporcionar um desenvolvimento harmônico e equilibrado entre o poder público e uma entidade de classe, dando novas oportunidades aos conselheiros do Crea.

Também deram voz ao Plenário do Crea-MT, junto ao governador, a diretora administrativa do Conselho, Rejane Mara Castiglione, o vice-diretor administrativo Ronaldo de Abreu Gonzalez e o conselheiro Clóvis Albuquerque. Os diretores da Mútua-MT, Adjane Prado (Geral) e Mário Cavalcante (Administrativo) também participaram da reunião. Ao final do encontro, o governador de Mato Grosso, Pedro Taques, se comprometeu a reunir novamente com os representantes do Crea-MT no segundo semestre de 2018.

*Equipe de Comunicação do Crea-MT